Skip to main content

Hyundai muda cidade no interior de São Paulo

Conhecemos as futuras instalações da montadora em Piracicaba, onde coreanos e brasileiros vivem choque cultural

POR RICARDO SANT’ANNA // FOTOS DE OSWALDO  PALERMO

Obras aceleradas em terreno de 1,390 milhão de metros quadrados, de onde sairão 150 mil carros por ano
Taxista Paulo Toledo transporta muitos coreanos pela cidade

A temperatura passa dos 30 graus em Piracicaba. Acidadevive a expectativa do lançamento da pedra fundamental da fábrica da Hyundai, que aconteceria no dia seguinte (25 de fevereiro). Procuro um restaurante coreano na movimentada Avenida Carlos Botelho. Sou recebido no estabelecimento por um simpático senhor coreano com um sorriso de orelha a orelha. Mas ele não consegue pronunciar uma palavra. Recorro ao famoso “do you speak english?” e recebo só um sinal com as mãos pedindo que espere. De dentro do restaurante sai uma garota falando um português arrastado: “Nenhum deles fala português”. Essa complicada comunicação é só uma das dificuldades para brasileiros e coreanos de Piracicaba, distante160 km da capital paulista e escolhida para receber a sétima unidade de produção da Hyundai fora da Coreia do Sul.

É exagero dizer que se encontra um coreano a cada esquina, mas não é difícil vê-los por lá. O taxista Paulo Toledo relata o comportamento dos novos vizinhos: “Faço muitas corridas para eles, que se esforçam para falar português e elogiam as mulheres brasileiras”. Recentemente, ele trocou seu VW Santana por um Kia Sephia 1995 pela “boa fama dos carros coreanos”. Mas nem todos os piracicabanos acham os imigrantes simpáticos.

Carros da Hyundai estão espalhados pela cidade e executivos da marca rodam apenas com Tucson

Em um flat da cidade, onde residiram mais de 100 coreanos e hoje vivem cinco famílias, funcionários estranham os hábitos dos recém-chegados: “Alguns são impacientes, outros não gostam de pegar elevador com brasileiros. Não somos obrigados a entender tudo o que eles desejam”, diz um empregado. A pedido dos novos moradores, o flat agora tem informações em coreano nos elevadores e uma TV na área da piscina. O forte cheiro da comida coreana é sentido quando o elevador para nos andares ocupados pelos imigrantes. Não é difícil encontrar crianças brincando sozinhas pelo hall ou um grupo de mulheres conversando baixinho. O olhar é desconfiado: “Elas são muito reservadas”, afirma um empregado.

Dois restaurantes coreanos foram abertos na cidade depois de anúncio da fábrica da Hyundai
Barjas Negri, prefeito de Piracicaba (SP)

Nasce uma Hyundailândia?
Segundo a prefeitura, apenas 50 famílias de coreanos residem em Piracicaba e está descartada uma cidade ao redor da linha de montagem, como novos hospitais, colégios e muitos imigrantes. “Isso é uma lenda que alguém plantou na mídia de forma mentirosa”, esbraveja o prefeito Barjas Negri. Fontes não oficiais, porém, dão conta de 300 coreanos na cidade, número que deve aumentar até 2012, quando as instalações ficarão prontas. “O que a gente ouve é que muitos largaram tudo na Coreia e vieram se arriscar por aqui no comércio”, conta uma senhora no ponto de ônibus. E a maioria deles está ligada à Hyundai, sejam funcionários do grupo, da construtora responsável pelo projeto e até aventureiros.

Somente a linha de montagem da Hyundai abrirá 4 mil postos de trabalho, sendo 95% destinados aos brasileiros. Haverá oito fornecedores coreanos em Piracicaba. A cidade ganhou este ano dois restaurantes coreanos: Lago Azul e Ará. O primeiro estava fechado os dois dias em que visitei a cidade, e no segundo a comunicação não foi possível. Segundo um garçom do restaurante vizinho, “as pessoas entram aqui desesperadas, pois eles não conseguem vender um copo de água. Não entendem nada de português”.

Cerimônia na fábrica trouxe jornalistas da Coreia e contou com a participação do governador Geraldo Alckmin

Reservados, os coreanos dificilmente dão abertura para um bate-papo com brasileiros, exceto os já adaptados à cidade, como a universitária Keumho Kang, conhecida como Marina, de 22 anos. Ela dá auxílio psicológico às crianças coreanas que estudam no Colégio Piracicabano, o mais tradicional da cidade. “Cheguei ao Brasil por meio de um intercâmbio e não quis ir embora. Os brasileiros são pessoas de coração quente”, conta a jovem de sorriso fácil e que ficou assustada quando viu mulheres de biquíni pela TV. “Não é comum no meu país”, conta. Segundo ela, a maior dificuldade dos alunos é conversar com os professores e entender as malícias brasileiras. “Ajudo eles, pois comigo aconteceu a mesma coisa. Hoje falo português e entendo melhor as brincadeiras”, conta ela que, diferente da maioria dos coreanos, se apaixonou pela culinária local e se tornou fã de polenta e feijoada.

Juliana Bonetti Valério, coordenadora do colégio, conta como é o relacionamento com os filhos de funcionários da Hyundai ou ligados à montadora. “Eles buscam excelência no ensino e são muito aplicados. Mas os pais dizem que as crianças têm domínio do inglês e não é isso que encontramos. Todos se adaptaram muito bem e o mais novo já faz tanta bagunça quanto os brasileiros da idade dele”, revela Juliana, que ajuda as crianças até a escolher seus nomes. “Como é difícil pronunciar o nome coreano, eles escolhem algo parecido”, diz. A calmaria do interior misturada com o ritmo acelerado dos coreanos tem dado certo graças ao bom e velho calor humano brasileiro. Não importa se a cultura, a língua ou os hábitos são muito diferentes, aqui sempre haverá espaço para mais um. Ou melhor, para mais uns.

A estudante coreana Marina estranhou as mulheres de biquíni na TV; Juliana Bonetti ajuda crianças coreanas na adaptação ao Brasil
CLIQUE E CONFIRA FOTOS DO HYUNDAI HB

Com o compacto HB, Hyundai quer passar a Ford no Brasil 
Uma enorme tenda foi montada no centro do terreno de quase 1,4 milhão de metros quadrados para a cerimônia de lançamento da pedra fundamental das instalações da Hyundai. “O Brasil está se tornando uma das maiores potências econômicas através do crescimento estável e São Paulo é o coração dessa economia”, disse o vice-presidente da Hyundai, Jong-Woon Shin. Moong-Koon Chung, CEO do grupo, também era para estar presente. “Como a presidente Dilma não viria, ele abortou a viagem”, disse um funcionário.

Para construir a nova unidade, onde irá produzir 150 mil unidades do popular HB por ano, a Hyundai está investindo US$ 600 milhões. Antecipado nas projeções acima, o hatch que chega em novembro de 2012 terá motores 1.0 e 1.6 flex para enfrentar o Gol. Na mesma plataforma estão previstos um sedã e um aventureiro. “A ideia é vender 300 mil carros ao ano até 2013, sendo 150 mil produzidos aqui. Com isso, atingiremos 10% do mercado nacional e passaremos a Ford”, afirma Han Chang Hwan, vice-presidente da empresa para a América. Segundo a Hyundai, a parceria com o grupo Caoa, representante da marca no país, vai continuar. O importador afirma que o contrato vai até 2028.

Marlon Tadeu, camisa 10 do XV de Piracicaba: "A bola é uma linguagem universal, né? Os caras falam estranho, mas a gente se entende"

Unidos pela bola
A Hyundai é fortemente ligada ao futebol, patrocinou as três últimas copas do mundo e também será grande parceira na edição do Brasil, em 2014, quando a empresa estará produzindo no país há mais de um ano. Na Coreia do Sul, o grupo mantém um time chamado Jeonbuk, que recentemente veio ao Brasil e fez um jogo-treino com o Palmeiras e um grande amistoso com o XV de Piracicaba, o time local. A partida terminou em2 a 2, resultado bom para os dois lados.

Além disso, executivos da empresa já sinalizaram um futuro patrocínio à equipe, de olho em conquistar os piracicabanos. Marlon Tadeu, camisa 10 do Nhô-Quim, como é conhecido o time, atuou na partida e alega que não foi nada fácil enfrentar os coreanos. “Foi uma experiência única. Eles são muito disciplinados tecnicamente e não erram na marcação, correm muito”, conta. Foi difícil se entender no campo? “A bola é uma linguagem universal, né? Os caras falam estranho, mas a gente se entende”, diz o atleta, sorrindo.

Fonte: www.revistaautoesporte.globo.com

Comentários

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: