Skip to main content

Preparada para receber estrangeiros

As 3.500 empresas associadas à Acipi (Associação Comercial e Industrial de Piracicaba) tem recebido todo o respaldo técnico para a realização de cursos, palestras e workshops para ampliarem seus horizontes e se adaptarem aos novos consumidores sul-coreanos que, aos poucos, têm desembarcado na Noiva da Colina. De acordo com o vice-presidente da entidade, o empresário Angelo Frias Neto, para receber os estrangeiros muitas empresas têm procurado profissionais que ao menos falem inglês e algumas, coreano; produzem folhetos em inglês e coreano, no sentido de aumentar a oferta de produtos e serviços que se adaptem ao gosto dos forasteiros. “A Acipi tem incentivado o desenvolvimento educacional técnico e comercial de seus associados e funcionários, por meio de cursos, palestras e workshops dando ferramentas para que os associados se preparem à nova realidade de mercado”, disse.

De acordo com Frias Neto, a Acipi, assim como a Semtre (Secretaria Municipal de Trabalho e Renda), Comissão Municipal do Trabalho, sindicatos patronais e operários, não tem medido esforços no sentido de preparar mão de obra especializada para atuação nas empresas que virão e, também, para suprir a necessidade de mão de obra, que se deslocará de uma ocupação para outra.”A cidade conta também com duas faculdades públicas de cursos tecnólogos de nível superior, uma estadual (Fatec) e outra equivalente federal (Ifst). Há, ainda, duas escolas SENAI, a Fundação Municipal de Ensino com cursos profissionalizantes específicos, além de diversas escolas privadas com cursos profissionalizantes e técnicos para preparação de mão de obra técnica e administrativa”, disse.

Segundo Frias Neto, a direção da empresa Hyundai Motors Brasil, informou que a montadora vai ter entre 40 e 50 executivos expatriados (termo que as empresas multinacionais utilizam ao se referir ás pessoas que elas deslocam de um país para outro) coreanos. Os fornecedores diretos que se instalarão aqui são entre nove e doze empresas coreanas que, tudo indica, também contarão com expatriados coreanos apenas na direção. Fazendo os cálculos cerca de 200 executivos, totalizando com a montadora 250, aproximadamente, devem desembarcar na cidade. “Fomos informados que, também tem vindo para Piracicaba, coreanos e seus descendentes que já se encontram radicados no Brasil, acreditando que a facilidade de comunicação, facilita a contratação, e/ou prestação de serviços”, disse.

Para a Acipi, a vinda da montadora é muito positiva para a cidade. “Vivemos um momento particularmente muito bom da economia de nosso país e, especialmente, de nossa cidade, com uma administração pública municipal empreendedora e que não tem medido esforços para preparar a infraestrutura da cidade e dar suporte ao crescimento. Isso, certamente, contribuirá para diversificação da economia local, o que é muito saudável e contribuirá para a mobilidade social da cidade positivamente, possibilitando novas oportunidades de empreendimento aos piracicabanos, ao mesmo tempo em que atrai mais empreendedores a nossa cidade, alimentando ainda mais a atividade econômica local”, ressaltou o empresário.

Frias Neto acredita que, para Piracicaba, será sem dúvida importante e enriquecedora a convivência com outra cultura bastante diferente, que valoriza muito a educação e organização. “ É a cultura de um país que, até início da década de 60, encontrava-se em situação muito pior que o Brasil da época e que, graças ao valor dado a educação, se superou. Hoje, com muito poucos recursos naturais se encontra em situação de vanguarda.”

Piracicaba já tem a tradição de receber imigrantes desde a segunda metade do século 19, quando recebeu os italianos, espanhóis, alemães e outros europeus ocidentais; depois, na primeira metade do século 20, quando chegaram os japoneses, na segunda metade do século 20 com a vinda dos nordestinos e, agora, no início do século 21 com a chegada dos coreanos. “Para preencher as necessidades de postos de trabalhos técnicos, certamente vamos receber um número muito maior de brasileiros vindos de outros pólos da indústria automobilística, uma vez que a montadora empregará no início aproximadamente 1.600 pessoas e os fornecedores diretos entre 1.600 e 2.000 funcionários diretos, informou.

Certamente, segundo Frias Neto, as pessoas que virão para cá, coreanos ou não, tem um grau de exigência maior, pois estão acostumadas à cultura cosmopolita e localizada, o que aumentará a exigência de qualidade de serviços, apresentação, oferta de produtos e serviços etc. Vai gerar maior consumo de produtos e serviços na cidade, pelos que virão, bem como proporcionará aumento ainda maior de emprego e renda aos que já estavam na cidade, o que retroalimenta o consumo, seja de escolas, restaurantes, bares, clubes, lojas de roupa, eletrodomésticos, supermercados, cabeleireiros etc.”

IMOBILIÁRIA – Como proprietário de uma das maiores imobiliárias de Piracicaba, Frias Neto, garante que o setor já vinha apresentando crescimento natural em decorrência do próprio crescimento da economia, da ascensão das classes sociais e da facilidade do financiamento imobiliário. “Com o aumento de renda e demandas na cidade, esse setor será diretamente beneficiado seja na área de residências, comércio, serviços e indústria, venda e locação. Não podendo esquecer de incluir nos serviços os hotéis”, disse. Para os próximos anos, a expectativa é do crescimento econômico, técnico, educacional e cultural da cidade. Com uma nova referência, mais globalizada, das atividades da cidade.

(Fonte: Jornal de Piracicaba, 25/02/2011, pág. E19)


Comentários

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: