Skip to main content
morar em Campinas

10 vantagens de morar em Campinas

Você acha que está em uma capital até perceber que está em Campinas, o terceiro município mais populoso do Estado de São Paulo e um importante centro econômico. Morar em Campinas é poder usufruir das facilidades e delícias só encontradas no interior e, ao mesmo tempo, contar com a infraestrutura de um grande centro, que representa 1,8% do PIB (produto interno bruto) nacional. Uma região pujante, que já bateu a marca de 3,09 milhões de habitantes. Conheça as vantagens de morar em Campinas:

1 – Localização estratégica

Localizada a aproximadamente 90 quilômetros de São Paulo, a cidade é um dos maiores entroncamentos rodoviários do país, servida por estradas como a Rodovia dos Bandeirantes, Rodovia Dom Pedro I, Rodovia Anhanguera (que cruza a cidade, partindo de São Paulo em direção a Ribeirão Preto e ao Triângulo Mineiro). Há ainda a ligação com a Rodovia Washington Luís, com importantes polos regionais do Estado como São Carlos, Araraquara e São José do Rio Preto. Além disso, tem um dos aeroportos mais movimentados do Brasil, Viracopos, que facilita o deslocamento e acesso à região.

2 –  Entre as 10 melhores para negócios

Campinas está no ranking das dez melhores cidades para se fazer negócios no Brasil, conforme pesquisa realizada pela Urban Systms, empresa de Inteligência de Mercado e Soluções especializada em análise de dados demográficos em mapas digitais, para estudos de lógica urbana, inteligência estratégica. A cidade se destacou no quesito infraestrutura, conquistando a 2ª posição nessa categoria. Pesam na classificação geral, a existência de um dos maiores aeroportos do Brasil (passageiros e movimentação de cargas), boa conectividade terrestre e o fato de a cidade ser um polo de empresas de tecnologia

3 – A 6ª entre as 100 melhores do País em gestão

Campinas se destaca como a 6ª melhor cidade do País entre os 100 maiores municípios brasileiros, na segunda

edição do ranking “Desafios da Gestão Municipal”, da

consultoria Macroplan. O principal avanço foi na área

de Saúde. O indicador leva em conta a taxa de mortalidade prematura por doenças crônicas não transmissíveis; proporção de nascidos vivos; cobertura das equipes de atenção básica e a taxa de mortalidade infantil.

421ª em saneamento básico

Campinas subiu sete posições no ranking de saneamento entre as 100 maiores cidades brasileiras, realizado pelo Instituto Trata Brasil. A cidade aparece na 21ª posição no levantamento que teve como base as informações do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNOS) referentes a 2013. No levantamento anterior, com dados de 2012, a cidade estava em 28ºlugar. Pesaram nesse salto os investimentos feitos em 2013, de R$ 103,2 milhões contra R$ 55,9 milhões do ano anterior, a melhoria na relação de esgoto tratado por água consumida e a redução de perdas de água na rede, que saiu de 19,32% para 19,18%.

5 – Movimento cultural

A cidade sempre teve posição de destaque no Estado de São Paulo, com grande produção e recursos culturais. Conta com três teatros municipais, com a Orquestra Sinfônica de Campinas, (considerada uma das três melhores do país), vários grupos de música erudita, corais, 43 salas de cinema, dezenas de bibliotecas, galerias de arte, museus, editoras de destaque nacional (Komedi, Papirus, Verus, Autores Associados, Unicamp). É a terra natal de Antônio Carlos Gomes, famoso compositor de óperas na Itália do século 19, com obras como O Guarani, Fosca e O Escravo.

6- 3°maior Polo de Pesquisa e Desenvolvimento

Campinas é o terceiro maior polo de pesquisa e desenvolvimento do Brasil, responsável por pelo menos 15% da produção científica nacional (dados de 2010). Destaque para a Unicamp, que é a maior produtora de patentes de pesquisa no país, a Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), a Faculdades de Campinas (FACAMP), a Faculdade Metrocamp. O município também sedia importantes institutos de pesquisas, como o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), Instituto Agronômico de Campinas (IAC), Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), dentre outros

7 – Entre as 50 melhores cidades do Brasil para viver, segundo a ONU

Com Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) de 0,805, Campinas aparece na 29ª posição entre as 50 melhores cidades para se morar no Brasil, segundo o Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) órgão das Nações Unidas, em parceria com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e a Fundação João Pinheiro. Está entre as cidades do Brasil com o melhor nas áreas de educação, renda e expectativa de vida, segundo a ONU. Elas integram o seleto grupo dos municípios com grau de desenvolvimento considerado “muito alto”, superior a 0,8. A média do Brasil hoje é 0,727, considerado alto (mas não muito alto). O indicador, que vai de 0 a 1 – e quanto mais próximo de 1, melhor – é semelhante ao famoso IDH calculado para os países do globo, mas algumas adaptações metodológicas.

8 –  3ª melhor para empreender

Campinas é considerada a terceira melhor cidade do Brasil para se empreender, segundo o Índice de Cidades Empreendedoras (ICE) divulgado pela Endeavor. Na pesquisa foram considerados os dados de 32 municípios, de 22 estados, que concentram 40% das scale-ups do país (conhecidas como as empresas de alto crescimento) e somam quase 40% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional. A Endeavor é uma organização internacional sem fins lucrativos que promove o empreendedorismo. Durante a análise, foram considerados 60 indicadores distribuídos em sete pilares que influenciam diretamente a qualidade dos ambientes de negócios: infraestrutura, mercado, capital humano, ambiente regulatório, acesso ao capital, inovação e cultura empreendedora.

9 – 10ªcidade mais rica do Brasil

Décima cidade mais rica do Brasil, é sede da Região Metropolitana de Campinas (RMC), a décima maior aglomeração urbana do Brasil, com 3 043 217 habitantes, ou 1,5% da população brasileira. A região responde por 2,7%o do produto interno bruto nacional e 7,83% do produto interno bruto paulista, ou seja, cerca de 77,7 bilhões de reais por ano. Destacam-se as indústrias de alta tecnologia, sendo considerado a capital do Vale do Silício Brasileiro. A região abriga mais de 10 mil empresas de médio e grande porte, muitas das quais entre as mil maiores e melhores do Brasil, segundo a revista Exame, tais como Honda, Toyota, Unilever, Mann+Hummel, 3M do Brasil, Bosch, Dell, IBM, BASF, Dow Química, Villares, Ericsson, Singer, Goodyear, CPFL, Elektro, Valeo, Rigesa, International Paper, Nortel, Lucent, Samsung, Motorola, Medley, Cristália, Romi, Tenneco, General Electric, Texas Instruments, Mabe, Altana, Solectron, AmBev,

10 – Atrativos em lazer e turismo

Além da pujança econômica e tecnológica, a cidade reúne várias opções em lazer e turismo, como o Parque Portugal, mais conhecido como Taquaral, Outras atrações são o Bosque dos Jequitibás, que em seu interior abriga um mini zoológico e o Museu de História Natural. O mirante no alto da Torre do Castelo permite uma vista quase completa da cidade a partir de suas seis amuradas. Há também a Estação Cultura, a Estação Anhumas, ponto inicial do percurso turístico de maria-fumaça que liga Campinas a Jaguariúna.

Fonte imagem: Site PGL

Comentários

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: