Skip to main content

Alckmin anuncia início das obras do anel viário

Em discurso no lançamento de pedra fundamental, governador disse que trabalhos começam dia 5 de abril. Empresa depende da obra para escoar produção

Erich Vallim Vicente

Ao sair do lançamento da pedra fundamental da Hyundai Brasil, ontem à tarde, em Piracicaba, o governador Geraldo Alckmin já tinha na agenda mais um evento no município. Em 5 de abril, ele deve retornar à cidade para lançar as obras do anel viário, chamado de ‘Contorno de Piracicaba’ e fundamental para escoar a produção de 150 mil veículos da fábrica da empresa sul-coreana. O acesso ao canteiro de obras da unidade – feito pelo trevo do km 135 da rodovia Laercio Corte (Piracicaba-Limeira) – está muito deteriorado, impossível para atender até a atual demanda de carros e caminhões.

Anunciado no início do mês pelo prefeito Barjas Negri e pela Concessionária ‘Rodovias do Tietê’, o anel viário deverá ter 9 km e ligar a SP 304 (Luiz de Queiroz) às rodovias SP 147 (Laercio Corte) e SP 127 (Fausto Santomauro), que vai a Rio Claro. O anel viário passará em frente à entrada da Hyundai e custará R$ 70 milhões. Sem esta nova estrutura, é impossível atender à demanda dos sul-coreanos, de fabricar 150 mil veículos ao ano – quase 5% da produção nacional. “Irá ficar pronto dentro do previsto”, disse Alckmin, sobre o anel viário. A previsão de conclusão é abril de 2013, alguns meses antes do início da produção da Hyundai, agendada para o segundo semestre de 2013.

O diretor de produção da Hyundai, Lee Young Tack, disse à reportagem de A Tribuna, logo após a coletiva de imprensa, que a empresa tem consultado não só o governo estadual, mas também o governo municipal sobre a obra que, segundo ele, “não tenha dúvida de que deve ser importante para nós”. O pequeno trecho de asfalto entre a SP 147 e a entrada da Hyundai é uma amostra de como a situação da pista de mão simples está precária, com muitos buracos, ondulações e, em algumas partes, sem acostamento.

FÁBRICA – Instalada em área de 1,4 milhão de hectares, a fábrica da Hyundai demandará 3.800 empregos diretos, sem contar a mão-de-obra que será absorvida pelos oito fornecedores da empresa. Na coletiva de imprensa, o diretor de produção Lee Young Tack destacou que este número será preenchido “todo com profissionais da cidade”, mas não deu previsão de quando começam as contratações. Ele informou, ainda, que até agora existem 44 coreanos trabalhando para empresa na cidade.

SOLENIDADE – Em seu discurso, o governador Geraldo Alckmin destacou a importância de a Hyundai ter, “primeiramente, escolhido o Brasil; depois, o Estado de São Paulo, motor da economia nacional, e, depois, Piracicaba, região promissora e com a infraestrutura completa para atender a empresa”. Ele destacou, ainda, os valores da empresa sul-coreana, “baseados em qualidade e sustentabilidade”.

Jong-Woon Shin, vice-chairman da Hyundai Brasil, lembrou que a fábrica é o resultado de uma relação bilateral de 52 anos entre o Brasil e a Coreia do Sul, “espero ter esta relação aprofundada”, destacou. Lembrou, ainda, que desde 2002 a empresa patrocina a Copa do Mundo, contrato que já está garantido para a Copa do Mundo de 2014, a ser disputada no Brasil, e de 2018, agendada para acontecer no Catar.

Barjas destaca a atuação de todos os agentes políticos

Em um discurso de congraçamento, o prefeito Barjas Negri agradeceu a “todos os agentes políticos” envolvidos na negociação da vinda da Hyundai Brasil a Piracicaba. Ele lembrou da atuação dos ex-governadores José Serra e Alberto Goldman – este segundo, presente no lançamento da pedra fundamental. Não deixou de citar o nome do deputado federal Mendes Thame, do deputado estadual Roberto Morais – “nosso representante”, pontuou –, a Câmara Municipal – “sem exceção”, disse, ao cumprimentar os vereadores em nome do atual presidente do Legislativo, João Manoel dos Santos. De forma especial, Barjas se lembrou do trabalho de Luciano Almeida, secretário municipal de Desenvolvimento Econômico nos dois anos iniciais do primeiro mandato (atualmente na SP Invest), a quem o chefe do Executivo atribuiu principal responsabilidade de articulação para a vinda da empresa sul-coreana. “Um agradecimento especial ao Luciano por toda a sua atuação nesta negociação”.

Semdes espera contrapartida em projetos sociais

A secretária municipal de Desenvolvimento Social (Semdes), Maria Angelica Guércio, destacou que já conversou, mesmo que de forma tímida, com representantes da Hyundai para que haja uma contrapartida em projetos sociais do município. Ela lembrou que os negócios resultados da unidade fabril devem gerar uma ampliação significativa para o Fundo Municipal de Defesa da Criança e do Adolescente (Fumdeca). “Com certeza, teremos um acréscimo e será muito importante a atuação da Hyundai”, disse ela, que também elogiou a prontidão da empresa em atender aos pedidos já feitos pela Semdes. “Eles foram muito solícitos para atender as vítimas das enchentes, para o Banco de Alimentos e têm uma política social muito forte”, disse a secretária.

Para o prefeito Barja Negri, a hipótese de que a vinda da empresa crie “um caos social”, devido à migração para Piracicaba, “não faz sentido”. Ele disse que a administração tem investido em inúmeras obras, como a construção de 30 escolas, hospital regional, estruturação das unidades de pronto-atendimento, além de urbanização de favelas, com pavimentação, ligação de água e energia elétrica. “Temos investidos bastante para absorver toda a demanda criada com a vinda da empresa”, garantiu.

Para entidades, montadora põe cidade em ‘novo nível’

Representantes de entidades classistas comemoram a vinda da Hyundai por “colocar a cidade em um novo nível de consumo e produção”. Para o presidente da Associação Comercial e Industrial de Piracicaba (Acipi), Jorge Aversa Jr., há benefício em toda a cadeia produtiva do município, “por estabelecer na cidade um novo segmento”. O presidente do Simespi (sindicato patronal da indústria), Tarcisio Mascarim, também concorda. “Vai possibilitar um mercado local com maiores opções”, acredita.

Angelo Frias Neto, 1o vice-presidente da Acipi, lembra a ideia o “crescimento em cadeia”. Ele acrescenta que há toda uma cadeia de setores que devem ser favorecidos com a vinda da empresa sul-coreana. “Já existem novos serviços sendo instalados na cidade, com especialidades que antes não havia, como em advocacia”, diz, ao citar a vinda do escritório da Demarest Advogados. “Mas muita gente poderá se beneficiar, desde restaurantes a supermercados, passando também pelo setor imobiliário”, disse ele, proprietário da Frias Neto Consultoria de Imóveis.

Fonte: Jornal A Tribuna de Piracicaba – 27/02/2011

Comentários

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: