Skip to main content

Frias Neto faz retrato imobiliário

Diretor regional do Secovi e presidente da Acipi falou sobre as expectativas de crescimento

Imagem

Por Carolina Gavioli | Jornal de Piracicaba

O diretor regional do Secovi (Sindicato Patronal da Habitação) e presidente da Acipi (Associação Comercial e Industrial de Piracicaba) Angelo Frias Neto, apresentou na última semana os resultados do primeiro estudo do mercado imobiliário da cidade.

Dentre os resultados, ele destacou que o estoque remanescente em relação ao número de lançamentos imobiliários em Piracicaba é muito pequeno na comparação com outras cidades do interior Paulista. “O número de apartamentos disponíveis (de 6.283 unidades lançadas, 5.300 foram comercializadas e 983 estão para venda) é o menor em relação a outras cidades, com exceção de Campinas, que registrou poucos lançamentos por conta dos problemas políticos que ocorreram na cidade nos últimos três anos. Isso mostra que Piracicaba absorve e comporta muito bem os imóveis que são lançados”.

O crescimento populacional de Piracicaba, que registrou média de 1,86% nos últimos três anos e representa o dobro do Brasil, que cresceu 0,9% ao ano, mostra que a cidade tem potencial grande para o mercado imobiliário futuro.

“Muitas empresas novas estão se instalando em Piracicaba, e além disso, famílias tem migrado de cidades da Região Metropolitana de São Paulo em busca de uma melhor qualidade de vida aqui”.

Frias Neto destacou ainda a segurança e o trânsito como pontos positivos da cidade. “Nosso trânsito tem problemas, mas não se compara com cidades grandes como São Paulo, por exemplo. Piracicaba é muito bonita, tem o rio que torna a paisagem interessante, temos muitas opções de lazer e comparando com os grandes centros, a segurança também se torna um atrativo”.

Frias Neto destacou ainda como atrativo o comércio da cidade, especificamente o de rua. “Piracicaba é a sede de um aglomerado urbano que abrange 22 cidades com mais 1,4 milhão de habitantes, e tem atraído moradores de cidades vizinhas tanto pra compras quanto pra lazer na Rua do Porto, no Parque da Agronomia, nos restaurantes, e isso representa um fluxo de pessoas significativo, o que é positivo para a cidade porque movimenta diversos setores, e gera empregos e demanda por serviços”.

Para o restante do ano, Frias Neto acredita que o imóvel será a melhor escolha nos momentos de incerteza que vivemos na economia. “O imóvel é um investimento seguro e nós temos uma demanda forte na cidade. Se considerarmos que 46% da população etária de Piracicaba tem entre 20 e 54 anos, que é uma faixa economicamente ativa de pessoas que estão trabalhando, produzindo e consumindo, e que 50% das vendas de imóveis financiados são para a primeira moradia de pessoas com até 35 anos, podemos concluir que o horizonte para o setor é promissor”.

O Parque Industrial diversificado, indústria automobilística e do setor sucroalcoleiro, empresas do ramo de construção civil, da área de papel e celulose, e siderúrgicas, segundo Frias Neto, favorecem o mercado e ajudam a equilibrar a economia da cidade nos momentos de crise.

Jornal de Piracicaba | 26.04.2014

Comentários

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: