Skip to main content

Potencial imobiliário gera desenvolvimento

JPB280315-002P.indd

 

Na 37ª colocação de melhor cidade brasileira para investimento em imóveis, Piracicaba mostra um alto potencial para o desenvolvimento imobiliário. Segundo o economista e professor da Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba), Francisco Crocomo, com essa colocação, Piracicaba pode atrair ainda mais investimentos.

“A posição da cidade em diversos indicadores tanto no Estado de São Paulo, como no Brasil – a cidade é uma das maiores exportadoras do Brasil, chegou a ser a sexta maior da nação – atraem investimentos”, relatou Crocomo.

O estudo desenvolvido pela consultoria Prospectiva Inteligência Imobiliária, noticiado no Jornal de Piracicaba, analisou a renda da população, o déficit imobiliário, a geração e distribuição de riquezas, a densidade demográfica e a quantidade de pessoas em domicílio quitado, pois são potenciais compradores com perfil de investidor.

“Essa colocação de Piracicaba não me surpreende, haja vista que, desde 2013, estamos atravessando um período de franco crescimento sócio-econômico na região. Com a instalação de grandes indústrias, Piracicaba vivenciou um afluxo maior de pessoas, por conta da geração de empregos na região, o que favoreceu também um aumento na faixa salarial dos habitantes. Dessa forma, a boa colocação da cidade no ranking de investimentos em imóveis é uma consequência quase natural desse cenário”, afirmou José Carlos Masson, delegado regional do Creci (Conselho Regional de Corretores de Imóveis) de Piracicaba.

No estudo também foram levantados o número de empresas atuantes no município, a taxa de urbanização, o nível de instrução dos habitantes e o IDH-M (Índice de Desenvolvimento Humano dos Municípios).

“No Estado, Piracicaba foi a 13ª colocada no estudo. Vários fatores contribuíram para esse cenário: IDH bom, taxa de urbanização alta, esgoto tratado, faixa salarial alta, além das empresas. A vinda da Hyundai e de seus fornecedores, a Raízen inaugurou a planta do etanol segunda geração, o anúncio de um novo shopping (Mirante Shopping), a vinda da Mercedes-Benz para Iracemápolis (a 18 km de Piracicaba) e a instalação na cidade do maior laboratório da Bioagri”, relatou Angelo Frias Neto, diretor regional do Secovi (Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais de São Paulo).

Na opinião do economista, a dinâmica e solidez da economia da cidade chama a atenção de empresas, que buscam um local para se instalarem. “Normalmente grandes empresas tanto no setor de transformação industrial, como no setor de comércio e serviços buscam segurança em seus investimentos, tanto para contar com a qualificação da mão de obra e infraestrutura oferecida pelo município, como a importância do mercado consumidor do seu produto. Considere-se aqui tanto o mercado local, como também a facilidade para atingir outros mercados”, informou.

Crocomo destaca também a alta empregabilidade na cidade: a mão de obra empregada formalmente passou de cerca de 30% da população em idade para trabalho, em 1996, para 50% em 2014. “A renda média de Piracicaba está em patamar maior da região e do Estado de São Paulo. O município conta com invejável capacidade para formação e qualificação de recursos humanos”, disse.

INVESTIMENTOS – Piracicaba vive um “boom” de investimentos no mercado imobiliário. Nos últimos anos, a cidade teve inúmeros lançamentos de empreendimentos em todas as regiões. “Até 10 anos atrás não se lançava quase nada. Esses novos empreendimentos atendem um déficit habitacional existente na cidade e um público formado por compradores na faixa dos 25 aos 30 anos, que não era tão presente antigamente”, afirmou Frias Neto.

Outro tipo de público fomenta a demanda por imóveis: pessoas que deixaram a capital para morar e trabalhar no interior. “Esse êxodo capital-interior existe. Muitas pessoas optam por morar no interior, montar o seu negócio aqui ou as grandes empresas contratam mão de obra qualificada de fora e esses profissionais acabam se mudando para a cidade”, relatou.

Crocomo lembra que o setor imobiliário é fundamental para a economia de uma cidade, pois propicia oportunidades para emprego em toda a sua cadeia. “A construção de um imóvel mobiliza uma infinidade de atividades, desde a confecção de projetos, que envolvem engenheiros em suas diversas funções na área civil, elétrica, hidráulica, segurança, arquitetura, dentre outras”, afirmou.

Texto: Stefanie Archilli
Foto: Nilo Belotto/JP
*Matéria publicada no Jornal de Piracicaba, dia 28 de março de 2015.

Comentários

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: