Skip to main content

Boom Imobiliário

A Economia em crescimento impulsionou a produção, a locação e a operação dos empreendimentos comerciais em Piracicaba
A Economia em crescimento impulsionou a produção, a locação e a operação dos empreendimentos comerciais em Piracicaba

Piracicaba nunca viveu um momento tão especial no ramo imobiliário. Nos últimos cinco anos, a cidade tem se transformado em suas quatro regiões: Norte, Sul, Leste e Oeste. São condomínios verticais, horizontais, novas indústrias e empresas que se instalam na cidade. Segundo as principais imobiliárias do município e o Ipplap (Instituto de pesquisas e Planejamento de Piracicaba), o ano de 2011 foi o melhor já registrado em termos de desenvolvimento imobiliário, e 2012 tem tudo para continuar no mesmo ritmo.

De acordo com o diretor regional do Secovi (Sindicato da Habitação), Angelo Frias Neto, todo esse crescimento do mercado imobiliário é provocado por uma conjugação de fatores virtuosos pelos quais passa a sociedade brasileira e, especialmente, a piracicabana.“Hoje verificamos a ascensão das classes sociais, com aumento da renda nas classes A, B e C — hoje mais da metade da população pertence à classe média —, mais a distribuição etária da sociedade, com concentração da população na faixa economicamente ativa, o que deve perdurar por cerca de 30 anos. Temos o chamado bônus demográfico, o que gera renda e consumo, nível de desemprego extremamente baixo, maior nível de instrução e informação, maior nível de exigência da população e,na esteira desse cenário, o enorme déficit habitacional ainda existente no país (estimado entre 6milhões a10milhões de unidades) e na cidade”, explicou.

Os últimos cinco anos trouxeram um mercado imobiliário em franca expansão. A volta do crédito imobiliário foi decisiva para a incorporação, construção e venda de imóveis residenciais, notadamente nos segmentos de classe média e de menor renda, segundo

Frias Neto. A economia em crescimento impulsionou a produção, a locação e a operação dos empreendimentos comerciais. Piracicaba vive um crescimento adicional, com a instalação de diversas empresas na cidade e a vinda de profissionais e empresários de outros centros urbanos, gerando produção de riqueza e demanda.

E mais, esse desenvolvimento econômico está atraindo um novo nicho: o das construtoras de imóveis de alto padrão. Independente do tipo de edificação, de uma quatro ou mais dormitórios, a cidade terá ofertas para um público exigente a partir deste ano. Ao menos três grandes construtoras vão investir no município em condomínios e apartamentos com luxo, conforto e segurança. Esses investimentos confirmam esse novo ciclo virtuoso de crescimento no mercado imobiliário em Piracicaba. As construtoras têm visto esta lacuna e aproveitado o bom momento econômico. “Além disso, não podemos esquecer de outros nichos que despontam de forma expressiva, motivados por essa nova ordem que garante a melhoria geral do poder aquisitivo. Um

Exemplo é o programa Minha Casa, Minha Vida na cidade, que atrai uma faixa etária de consumidores jovens, motivada pelos preços ainda atrativos da região, inclusive uma população estudantil, grande consumidora do mercado, principalmente no setor de locação”, ressaltou o diretor do Secovi. Quem reforça essa idéia é o delegado da subregional do Creci-SP, José Carlos Masson.“Tivemos um 2011 excelente e esse ano tem tudo para continuar no mesmo ritmo. São novos loteamentos sendo lançados, tanto verticais quanto horizontais. Além disso as classes C e D devem abastecer ainda mais esse mercado como sistema de financiamento Minha Casa, Minha Vida”, afirmou.

A garantia de que esse ano deve seguir os mesmos parâmetros de 2011 é a oferta do crédito no setor. A estimativa da Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança) é que a ofertado crédito no setor aumente entre30% e 40% em 2012. O Banco do Brasil, por exemplo, que encerrou 2011 com um estoque de aproximadamente de R$ 7,7 bilhões em financiamento de imóveis — o que representa

Um aumento de 126% em relação aos R$3,4 bilhões de dezembro de 2010 —, pretende encerrar 2012 passando de R$ 12 bilhões.

Para Frias Neto toda essa expansão imobiliária também se deve ao fato de Piracicaba ter ficado com os preços deprimidos e com pouca atividade até cerca do ano de2006. Apartir de então, o mercado tem apresentado uma retomada de valores, como em todo país, com demanda e oferta aumentadas.“No caso de Piracicaba, além da economia aquecida pela vinda de grandes indústrias, existem fatores adicionais, que ajudam a construir esse cenário tão promissor, a começar da logística. Piracicaba está a 70

Quilômetros do Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas(SP), e integra uma das mais importantes malhas rodoviárias do Estado. Está inserida no Pólo Regional de Piracicaba que engloba 23 municípios comum a população estimada de 1,3 milhão de

habitantes.Está prestes a integrar o sistema hidroviário, por meio de conexão que ligará a cidade à Hidrovia Tietê-Paraná.A isso precisamos somar a expertise tecnológica. Temos os maiores centros de pesquisa do setor sucro alcooleiro, empresas que constroem usinas completas e agora um parque automotivo com avinda da Hyundai, que deve começar suas operações este ano. Tudo instalado em uma cidade maravilhosa, cortada por um rio, com equipamentos de lazer, qualidade de vida, boas escolas e efervescência cultural”, enfatiza.

CRESCIMENTO ORDENADO

Nos últimos anos, de acordo como prefeito Barjas Negri (PSDB), foram construídos dez

Condomínios verticais, num total de 964 apartamentos e outros 35 empreendimentos estão em construção totalizando 4.938 apartamentos. “A prefeitura ainda está analisando a aprovação da construção de outros 44condomínios, que totalizam 6.542 apartamentos. Boa parte desses empreendimentos são destinados ao programa Minha Casa, Minha Vida, para pessoas que ganham de zero a seis salários mínimos”, ressalta o chefe do Executivo.

Com tantos empreendimentos sendo lançados é necessários se preocupar comum crescimento ordenado. De acordo com o arquiteto e presidente do Ipplap, João Chaddad, para muitos, essa expansão é vista de maneira exagerada, mas para o Ipplap

isso é desenvolvimento.“Temos um planejamento muito bom baseado em estruturas para que esses empreendimentos cresçam ordenadamente.Fica a cargo da prefeitura darás diretrizes do crescimento”, disse.Antes do lançamento de um empreendimento, a empresa ou o empresário precisa,segundo Chaddad, consultar a prefeitura a respeito da possibilidade e justificar quando, como e por quê usar. “A prefeitura está totalmente estruturada para ter um perfeito controle desse crescimento horizontal.Trabalhamos

em prol do crescimento ordenado e sustentado.Nada é aprovado sem que haja um estudo a profundado. Não aprovamos nada errado no presente para não sofrermos no futuro”, salientou.

Piracicaba tem um crescimento predominantemente horizontal. No crescimento vertical

(edifícios), a prefeitura tem um coeficiente de aproveitamento máximo de quatro vezes a área do terreno — uma exigência do plano diretor aprovado em 2006 — os prédios não são de altura exagerada (de dez a12 andares), podendo ir só até um certo limite.

No caso dos condomínios horizontais, Chaddad explicou que todos os custos referente a água, luz, guias, sarjeta, esgoto,asfalto e etc, não importa a localização,ficam por conta do empreendedor, não da prefeitura. “A prefeitura não tem despesas nos loteamento se não fornece o alvará de conclusão enquanto todos os melhoramentos urbanos não estiverem prontos”, disse. Essa é uma garantia de que as obras seguirão o plano diretor, que determina como deve ser o crescimento ordenado e sustentável do município.

BOOM IMOBILIÁRIO
Boom Imobiliário - Caderno Imobiliário - Jornal de Piracicaba
Fernanda Moraes
fernandamoraes @jpjornal.com.br
Jornal de Piracicaba, Caderno Imobiliário, 7 de março de 2012.

Comentários

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: